Tudo é um rasgo
De nascença

Sê-lo senão isto
Um signo qualquer


Um arraso.

Maldito
Como se já não me bastasse o Sol 
Tenho um ascendente
Que goza do outro lado
Que me faz avesso.

canga

o vento
confundindo-lhes os fios
dos cabelos, os cachos
os olhos
atentos
o sorrir dos lábios
os dentes
o rangir
o amor
sedento, urgente.
agora quando te esquecer é
nunca
porque fica o cheiro
que não finda, nem tampouco
ameniza
o querer de ter-te ainda
que de passagem
pelo corpo
no arrepio do pêlo
na saliva
num fechar de olhos
e recordar