Nas Curvas de Aracaju

Naquela fotografia
Vi tanta coisa indo
E só você vindo
A sorrir flores
Meio ao caminho
Coberto de amores.

E eu ria de nervoso
Do que me dispunha
Diante às curvas
Inundadas de mistérios.

Eu ficava.
Eu na verdade me deixava
E te via chegar.

fragmento

Achava legal a superficialidade porque a comparava como as bordas das coisas, como as cascas das frutas, onde por exemplo, fica concentrada a essência do sabor. Depois, aprofundar qualquer coisa que fosse, era preciso coragem. Nem todo mundo está disposto a espinhar-se. Os dias soltam venenos. Os dias superam. Amanhã o céu será mais azul, e mataremos a sede no suor que escorre sal-ga-do!

do contato




I

a grama
me faz
cosquinha nos pés.

II

eu caminho
pelas esquinas
de árvores.

III

volta e meia
uma flor
entristecida.

IV

o canto
dos pássaros
acaba em sol.