Dos beijos

Os beijos suaves no meio de um sono – madrugadas servem para isso, lembrar que existe alguém em algum lugar que te quer o bem, que te pensa e que, se estivessem em cor, tudo seria uma questão de amor.
Depois, você sabe, a pessoa recebe o beijo e a gente fica toda preocupada com qual lápis de cor pintar o desejo, depois o sexo, o amor.
Sei lá, mas no final, eu sei, virá um arco-íris, aquarela.

Os beijos suaves no meio de um sono – o vapor quente saindo pela boca passando pelo ouvido alheio arrepiando o pêlo, o amor em braile não é assim?


Os beijos suaves no meio de um sono – o íntimo já logo contrai-se na coxa daquele outro corpo, e tirar a roupa é perda de tempo, é preciso, agora, rasgá-las, pedaços de saudade – Eu estava querendo fazer isso há muito tempo, disse – pelo chão.


Os beijos suaves no meio do sono – o silêncio da noite parecia gemer. A manhã trazia gozos na bandeja na cama pro café. Os beijos suaves no meio de um sono – despertar, amanhe.ser.

Um comentário:

Sua vez.